Ponto de vista da mamografia no SUS

15/11/2015

Ponto de vista da mamografia no SUS

Quando cobrado ou mostradas, pela televisão, as mazelas da saúde pública, o governo federal responde que o Brasil é um dos poucos países do mundo a manterem um sistema gratuito de saúde.
Isto não é verdade. A cada direito corresponde um dever. Logo, é obrigação do Estado brasileiro garantir saúde a todos os brasileiros. Segundo, a alegada gratuidade é uma falácia. O Brasil se esquece de dizer que ele é também um dos países que mais cobram pelo péssimo serviço de saúde que presta.
O SUS é financiado por toda a sociedade, sobretudo por contribuições pagas pelos próprios usuários do SUS, pelos patrões e pelas empresas. Então, o sistema não é gratuito, mas oneroso. O trabalhador, por mais humilde que seja, paga, antecipadamente, pelo mau atendimento que recebe nos postos de saúde e hospitais públicos.
Parece que quanto mais se paga mais ineficiente fica o serviço de saúde do SUS. Vejam o que diz a Portaria nº. 61, de 01/10/15, baixada pelo Ministério da Saúde: “Fica decidida a não ampliação do uso da mamografia para o rastreamento do câncer de mama em mulheres assintomáticas com risco habitual fora da faixa etária atualmente recomendada (50 a 69 anos) no âmbito do Sistema Único de Saúde – SUS”.
Isto significa que o serviço de mamografia ficaria disponível por apenas 19 anos de toda a vida de uma mulher (dos 50 aos 69 anos de idade), isto quando o aparelho não estiver quebrado. Corrupção tem em abundância.

 

Odilon de Oliveira