Odilon lidera pesquisa para governo com André por perto

17/10/2017

Odilon lidera pesquisa para governo com André por perto

O juiz federal aposentado Odilon de Oliveira entra na política no topo das pesquisas eleitorais realizadas pelo Ipems (Instituto de Pesquisas de Mato Grosso do Sul Ltda). Conhecido no Brasil e internacionalmente por colocar na cadeia os barões do narcotráfico e do crime organizado, Odilon começa a colher dividendos políticos, se tornando líder com 36,67% das intenções de voto do eleitor de Campo Grande para a sucessão do governador Reinaldo Azambuja (PSDB). Logo atrás vem o ex-governador André Puccinelli (PMDB) com 33,34%.

Os dois estariam, hoje, numa disputa apertada para a sucessão estadual. Seria o confronto de estreante na política com uma das maiores lideranças do Estado. Como a margem de erro é de 4,90 pontos porcentuais para mais ou para menos sobre o resultado total do levantamento, eles estariam tecnicamente empatados se a corrida eleitoral fosse hoje. Os números do Ipems dos nomes submetidos à consulta popular mostram oscilações.

 É o caso de Odilon. O cenário numérico a favor dele foi um pouco melhor em setembro quando 38,26% dos eleitores da Capital manifestaram o interesse de votar em sua eventual candidatura para governador do Estado. Houve queda de 1,59 pontos porcentuais. Isto não significa perda de apoio, levando-se em consideração a margem de erro de 4,90 pontos. A posição dele na dianteira seria de estabilidade, mesmo com André aparecendo em seu retrovisor se estivessem numa corrida eleitoral.

Já a situação de André foi de oscilação positiva de 4,05 pontos porcentuais, passando de 29,29% em setembro para 33,34% em outubro. Na pesquisa anterior, a vantagem de Odilon era de 8,97 pontos porcentuais. Hoje é de 3,33 pontos.

Os números indicam André encostando mais no líder. O governador Reinaldo Azambuja continuou na terceira colocação isolado. Ele recebeu o mesmo índice de setembro, com uma pequena variável, passando de 14,76% das intenções de voto para 14,82%.

Azambuja está a 18,52 pontos porcentuais atrás de André e a 21,85 pontos de Odilon. O presidente da Cassems (Caixa de Assistência dos Servidores do Estado de Mato Grosso do Sul), médico Ricardo Ayache (PSB), é outro que apareceu praticamente com o mesmo índice.

Se fosse candidato a governador hoje, ele teria 4,78% das intenções de voto. Em setembro, Ayache tinha 3,32%. O prefeito de Costa Rica, Waldeli dos Santos Rosa (PR), saiu de 1,28% de setembro para 3,67% das intenções de voto em outubro. Ayache e Waldeli estão, também, empatados tecnicamente. A pesquisa do Ipems foi realizada com 400 eleitores de Campo Grande no período de 9 a 13 de setembro.

Correio do Estado