Soja puxa exportações em MS e receita supera US$ 4,4 bi no ano

06/12/2017

Soja puxa exportações em MS e receita supera US$ 4,4 bi no ano

Montante obtido com vendas externas dos sete principais produtos do Estado aumentou 16,1%

Favorecida pelo desempenho positivo dos sete principais produtos vendidos para o exterior, receita de exportações de Mato Grosso do Sul teve crescimento de 16,14% de janeiro a novembro deste ano na comparação com o mesmo período do ano passado e fechou em US$ 4,440 bilhões, maior montante para o mesmo intervalo desde 2014, quando alcançou US$ 4,900 bilhões. Conforme dados do Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (Mdic), o volume de mercadorias e produtos comercializados também registrou recuperação em relação ao ano passado (+10,43%), passando de 12,876 milhões de toneladas para 14,221 milhões de toneladas. Responsável por 29,56% da receita de exportações do Estado neste ano, a soja rendeu US$ 1,321 bilhão, montante 24,51% superior ao de igual período do ano passado, de US$ 1,054 bilhão. O volume da oleaginosa sul-mato-grossense comercializado para fora do País também saltou de 2,892 milhões de toneladas para 3,509 milhões de toneladas (+21,32%). O grão foi o principal produto exportado para a China (ao todo, foram 2,838 milhões de toneladas enviados para o país asiático, gerando receita de exportações de US$ 1,070 bilhão). Principal parceira comercial do Estado, a China comprou outros 14 produtos de Mato Grosso do Sul, gerando faturamento total de US$ 1,563 bilhão de janeiro a novembro para Mato Grosso do Sul (ou 69,66% das exportações do período). Com receita bem menor, aparecem como principais países exportadores a Argentina (US$ 215,112 milhões), Itália (US$ 163,492 milhões), Hong Kong (US$ 147,339 milhões), Países Baixos (Holanda), com US$ 136,395 milhões; e Japão, com US$ 105,537 milhões. Outros produtos Além da soja, também registraram resultado positivo em vendas para o exterior a celulose, com 20,79% de participação nas exportações; e o açúcar, responsável por 10,74% da receita no comércio com outros países. No caso do insumo, o crescimento em receita foi de 4,60% neste ano em relação a 2016 e o montante fechou em US$ 923,332 milhões, frente a US$ 882,751 milhões no ano passado. Também houve incremento no volume embarcado, de 2,178 milhões para 2,273 milhões de toneladas (4,39%). Já o derivado de cana- de-açúcar apresentou aumento mais expressivo e saiu de US$ 385,8 milhões para US$ 477 milhões (23,63%), o mesmo ocorrendo quanto ao produto enviado ao exterior, que cresceu 17,14%, passando de 1,112 milhão para 1,302 milhão de toneladas. Para a carne bovina (com 7,47% de participação), o acumulado das exportações aponta para uma recuperação, depois de um primeiro semestre de incertezas para o setor. Houve avanço de 32,60% na receita com as carnes desossadas congeladas — de US$ 250,233 milhões, em 2016, para US$ 323,046 milhões, até novembro deste ano. O volume de cortes embarcados subiu 23,54%, de 67,013 mil para 82,788 mil toneladas. Ainda conforme os dados do Mdic, a receita com exportações do frango produzido em Mato Grosso do Sul aumentou 27,93% (de US$ 201,242 milhões para 257,474 milhões) e a quantidade de produto comercializado cresceu 9,52% (de 121,166 mil toneladas para 132,702 mil toneladas). Mesmo apresentando o menor aumento porcentual (de 6,25%), o milho também registrou desempenho positivo e fechou o acumulado até novembro com receita de exportações em alta: o montante alcançou US$ 323,056 milhões, diante de US$ 304,035 milhões em 2016. O volume embarcado está em 2,111 milhões de toneladas, 14,14% superior aos 1,844 milhão do ano passado. Já o minério de ferro apresentou crescimento de 37,75% na receita com exportações, saindo de US$ 84,234 milhões para US$ 116,033 milhões. O avanço no volume de produto enviado ao exterior foi de 9,28%, passando de 3,259 milhões para 3,561 milhões de toneladas no período comparado.

Correio do Estado