Corinthians vence Palmeiras nos pênaltis e é campeão

09/04/2018

Corinthians vence Palmeiras nos pênaltis e é campeão

Em final tumultuada, Timão derrotou o alviverde, na casa dele, por 1 a 0 no tempo regulamentar
Em uma final que teve gol, nervosismo, discussões entre os jogadores e uma grande polêmica causada pela arbitragem, o Corinthians foi campeão paulista pelo segundo ano consecutivo. A equipe venceu o Palmeiras por 1 a 0, no Allianz Parque, neste domingo, e gol de Rodriguinho e levou a decisão para os pênaltis.  Nas cobranças, o clube de Parque São Jorge ganhou por 4 a 3. Cássio defendeu as cobranças de Dudu e Lucas Lima. Foi o 29º título estadual do Corinthians, o maior vencedor da competição, e a sexta conquista neste século. O time alvinegro precisava vencer por dois gols de diferença, após perder a primeira partida por 1 a 0, realizada no dia 31 de março, no Itaquerão. A conquista foi a terceira de Fabio Carille em menos de dois anos no comando do time do Parque São Jorge. No ano passado, o treinador comandou a equipe nas conquistas do Paulista e do Brasileiro. O jogo teve uma grande polêmica. Aos 26 minutos do segundo tempo, o árbitro Marcelo Aparecido de Souza marcou pênalti de Ralf em Dudu. No entanto, árbitro adicional Alberto Poleto Masseira, que fica na intermediária, avisou o juiz que não houve toque do volante corintiano no atacante. A partida ficou paralisada por quase dez minutos. Souza voltou atrás e deu escanteio. Os jogadores do Palmeiras se revoltaram e houve princípio de tumulto entre os atletas que estavam nos bancos de reserva das duas equipes. Não está claro como Masseira percebeu que não havia acontecido a infração. A Federação Paulista de Futebol não utiliza árbitro de vídeo em suas competições. Com o título, o Corinthians também manteve a supremacia diante do rival no Allianz Parque, inaugurado em 2014. Dos cinco jogos já realizados no local, o clube obteve três vitórias e um empate. O adversário triunfou uma única vez. As duas equipes ainda têm pela frente neste ano a Copa Libertadores, a Copa do Brasil e o Campeonato Brasileiro. O JOGO Mesmo com a vantagem do empate, o Palmeiras não mudou sua postura e começou marcando o Corinthians no campo de ataque, estraté- gia utilizada com sucesso em clássicos desta temporada. A equipe, porém, foi surpreendida. Com menos de dois minutos, Mateus Vital, 20 anos, escapou pela direita, deixou o zagueiro Antônio Carlos e cruzou para trás. Rodriguinho finalizou, a bola desviou em Victor Luís e entrou. Com o gol, o Corinthians recuou e esperou o rival ter iniciativa da partida. Mesmo assim, a equipe de Carille levou perigo com as jogadas do lado esquerdo do campo com Vital, que deu muito trabalho para Marcos Rocha e Antonio Carlos. O time alviverde só acertou a marcação no setor após os 20 minutos. Apesar dos contra-ataques perigosos do Corinthians, o Palmeiras foi melhor na etapa inicial, mas não conseguia penetrar na área adversária. As melhores chances foram em um arremate de Willian e em uma cabeçada de Borja após cobrança de lateral de Marcos Rocha. O camisa 2 também teve uma boa oportunidade, mas chutou em cima de Cássio. Na etapa complementar, Roger voltou com Keno no lugar de Willian. O Palmeiras se manteve no campo de ataque, mas não encontrava espaço. Na metade do segundo tempo, o clube tinha 70% de posse de bola, contra 30% do rival, que tentava se defender e achar um contra-ataque, o que não aconteceu. Carille colocou Sheik no lugar de Jadson, cansado. O Palmeiras teve excelente chance de empatar, após uma boa jogada de Keno e cabeceio para fora de Thiago Santos nos acréscimos. O Corinthians quase decidiu o título minutos depois, quando Sidcley entrou sozinho na área e chutou para fora.

Correio do Estado