22 de Fevereiro de 2019

(67) 3521-0808


Home
Meio Ambiente Cidade Política Geral Poesias Economia Acontecimentos Dr. Sérgio Luís Entretenimento Esporte
Fotos Vídeos Contato 103 Anos de Três Lagoas
×





31/01/2019

Simone se rebela e diz não ter condições de votar em Renan

Hoje a bancada do MDB vai escolher entre os dois quem será o candidato a presidente do Senado

Às vésperas da votação à presidência do Senado, cresce o clima de tensão dentro da bancada do MDB. Ontem, em entrevista ao jornal Correio do Estado, a senadora Simone Tebet (MS) deixou claro que não está boa a relação com o adversário, o senador Renan Calheiros (AL). “Não tem condições”, disse ela, sobre a eventual candidatura do correligionário Renan Calheiros. Os dois disputam voto a voto a oportunidade de postularem pela legenda o cargo de presidente da Casa de Leis. A definição do candidato acontece hoje, às 17 horas, um dia antes da posse dos senadores e da eleição da mesa diretora.

Como tem a maior bancada (13 senadores), o MDB possui, por tradição, a preferência na cadeira de presidente. Por isso, é tão importante a escolha de quem será o candidato do partido. Sabendo dessa condição e da possibilidade de Renan ser lançado como postulante à vaga, Simone decidiu entrar na disputa. Ela conta que recebeu apoio de senadores do MDB e de outros partidos para colocar seu nome à disposição. O movimento a favor dela acontece pela alta rejeição do senador alagoano dentro e fora do Congresso Nacional.

Alvo de 14 inquéritos policiais e absolvido de outros nove processos criminais e cíveis, Renan é visto com maus olhos por parte da população brasileira. Ele, inclusive, foi motivo de protesto em várias cidades, por manifestantes que não o aceitam na presidência do Senado e clamavam: “o Brasil mudou e o Senado precisa mudar”. Com esse mesmo pensamento, Simone ressaltou à reportagem que é a favor da renovação da política. “Eu coloquei minha candidatura por ser contra o que estava sendo colocado. Vou até o fim porque o que está em jogo é a política. Há um clamor por renovação”, disse.

 Sobre a reunião tensa realizada na terça-feira (29), a senadora comentou que Renan acreditava que nenhum emedebista teria coragem de enfrentá-lo na disputa interna. “Ele estava achando que a candidatura dos outros não iria para a frente, que eu não sairia candidata de jeito nenhum”. A senadora criticou os aliados do alagoano que, assim como ele, foram contra o voto aberto na escolha do postulante da sigla pela presidência. “Ele [Renan], Jader Barbalho (PE) e Eduardo Braga (PA) são da turma da velha política. Renunciei à liderança do MDB por não comungar com a maioria que escolheu voto fechado”.

No caso, a votação em secreto favorece Renan, pois deixa o parlamentar mais à vontade. Ou seja, ele fica livre de expor sua posição e de possível pressão. “É um novo tempo, são novos ventos. Renan representa um MDB que eu não pertenço, que não quer a alternância de poder. Por isso, coloquei a minha candidatura na bancada”, afirmou a sul-mato-grossense, ao reafirmar a intenção de concorrer ao cargo, mesmo sem o apoio do partido. “Vou até o fim”, ressaltou.

Quanto ao possível apoio do governo de Jair Bolsonaro (PSL) a Renan, Simone afastou essa hipótese. Segundo ela, toma corpo no Senado a candidatura de David Alcolumbre (DEM), que é do mesmo partido do ministrochefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni (RS).

Correio do Estado

 

Versão Impressa



Mais Lidas

    
  1. Renovação de frota motiva venda de caminhões usados
  2. BANDA KORRERIA 77 É ATRAÇÃO NO ENCERRAMENTO DO MOTO SHOW 2014
  3. ASFALTOS ESTADUAIS NO BOLSÃO CONCLUÍDOS
  4. Centro Cultural recebe obras do Marco para a exposição “Brasil Central”
  5. Fundação de Cultura realiza Oficina de Cerâmica de Bichos do Pantanal em Alcinópolis