19 de Março de 2019

(67) 3521-0808


Home
Meio Ambiente Cidade Política Geral Poesias Economia Acontecimentos Dr. Sérgio Luís Entretenimento Esporte
Fotos Vídeos Contato 103 Anos de Três Lagoas
×





03/05/2019

CCZ realiza exames em cães do Distrito de Arapuá para diagnóstico de leishmaniose

Os moradores do Distrito de Arapuá receberam a visita de uma equipe da Secretaria Municipal de Saúde (SMS) de Três Lagoas, por meio do Centro de Controle de Zoonoses (CCZ) da Diretoria de Vigilância e Saneamento, que realizou a coleta de amostras de sangue de cães para controle e diagnóstico de leishmaniose, nesta quinta-feira (02).

No total foram coletadas 26 amostras de sangue de cães de diversos tamanhos. Durante o teste rápido, três amostras deram resultado positivo da doença, porém ainda serão submetidas ao exame denominado de “Elisa” que é um teste imunenzimático que permite a detecção de anticorpos específicos.

Além das coletas, a equipe também distribuiu panfletos para a população local sobre profilaxia de leishmaniose canina, orientou os donos dos pets sobre a posse responsável e sobre identificação e prevenção de animais peçonhentos. “Fizemos esse trabalho a pedido da população local e de Agentes de Saúde, pois havia um caso suspeito que, após exame foi descartado”, finalizou Everton.

AÇÕES

No primeiro trimestre de 2019, o CCZ realizou 843 visitas (orientações e coleta) a imóveis de Três Lagoas e, desse total, coletou 609 amostras de sangue para análise que resultaram em 207 confirmações da leishmaniose canina. “Após o diagnóstico, o proprietário tem o direito de assumir a responsabilidade pelo animal e realizar um novo exame por clínica particular ou iniciar um tratamento”, explicou Everton Otoni, responsável pelo CCZ.

POPULAÇÃO ANIMAL

Um ponto importante a se destacar é que, de acordo com o último Censo Animal, realizado em 2017, Três Lagoas conta com uma média de 12 mil cães e cerca de 3,5 mil gatos. “Temos uma população animal relativamente grande e isso reforça a necessidade da conscientização das pessoas sobre a posse responsável, pois ter um pet não significa apenas alimentar, mas dar carinho e, acima de tudo, dar assistência veterinária, com vacinas em dia e outros procedimentos necessários para o bem estar dele e da família que o acolhe”, comentou a diretora de Vigilância em Saúde e Saneamento, Georgia Medeiros.

 

Diretoria de Comunicação

 

Versão Impressa

×

25 de Abril de 2019 - Nº 532

Jornal Impresso



Mais Lidas

    
  1. PSICOLOGIA AEMS: MAIS UM RECONHECIMENTO DO MEC
  2. Longe dos problemas na Coluna
  3. ‘Não desistiremos do Brasil’, diz viúva
  4. Rodada define semifinalistas do Sul-Mato-Grossense sub-19
  5. Desmatamento na Amazônia já afeta o clima. Entrevista com Antonio Donato Nobre, INPE