15 de Março de 2019

(67) 3521-0808


Home
Meio Ambiente Cidade Política Geral Poesias Economia Acontecimentos Dr. Sérgio Luís Entretenimento Esporte
Fotos Vídeos Contato 103 Anos de Três Lagoas
×





10/07/2019

Cartão de crédito é responsável por 66% das dívidas na Capital

Pesquisa é realizado pelo Instituto de Pesquisa (IPF-MS)

Foi divulgada nesta quarta-feira (10), a Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (PEIC) e os dados relativos a Campo Grande registraram aumento na inadimplência das famílias.

Os gastos com cartão de crédito são responsáveis pela situação de 66% das pessoas entrevistadas. 

Em seguida estão as dívidas com carnês, 20,6%, financiamento da casa 14% e com financiamento de carros 13%. Em junho, 58,8% dos entrevistados tinham compromissos parcelados, frente a 54,15% no mês de maio. 

De acordo com a economista do Instituto de Pesquisa e Desenvolvimento da Fecomércio/MS, Daniela Dias, também houve elevação no número de pessoas que informaram ter contas em atraso. 

“O maior índice de pessoas com compromissos parcelados já era esperado, uma vez que a última pesquisa sazonal, para o Dia dos Namorados, apontava aumento do número de consumidores que pretendia pagar suas contas à prazo”, explica.

Por outro lado, o número de famílias que informava que não teria condições de saldar as dívidas ficou em 12,7%, uma ligeira baixa comparada a maio, quando eram 12,9%.

Quando questionados sobre o nível de endividamento, 14,2% disseram que se consideram muito endividados e 23,1% pouco endividados.

Outro dado observado na pesquisa é o tempo de atraso no pagamento das dívidas, com 45,7% dos entrevistados pontuando mais de 90 dias de inadimplência, 20,9% entre 30 e 90 dias e 15,8% em até 30 dias. 

 

 

Correio do Estado

 

Versão Impressa

×

CAPA

Jornal Impresso



Mais Lidas

    
  1. PSICOLOGIA AEMS: MAIS UM RECONHECIMENTO DO MEC
  2. Longe dos problemas na Coluna
  3. ‘Não desistiremos do Brasil’, diz viúva
  4. Rodada define semifinalistas do Sul-Mato-Grossense sub-19
  5. Desmatamento na Amazônia já afeta o clima. Entrevista com Antonio Donato Nobre, INPE