24 de Março de 2019

(67) 3521-0808


Home
Meio Ambiente Cidade Política Geral Poesias Economia Acontecimentos Dr. Sérgio Luís Entretenimento Esporte
Fotos Vídeos Contato 103 Anos de Três Lagoas
×





29/07/2019

Três-lagoense é destaque nacional em Educação orgulho de Três Lagoas Ana Laura de Queiroz

Nasci em Três Lagoas – MS em 09 de junho de 1052, hoje com 67 anos.

Morei em minha terra natal até os sete anos, pois papai Eurico Alaor de Queiroz funcionário do Banco do Brasil foi transferido para a cidade de Araçatuba onde vivi até me casar. Mamãe era D. Faustina Evangelista de Queiroz, dona de casa, costureira e tinha um pequeno Bazar na garagem de nossa casa em Três Lagoas.

Recebi o nome das minhas duas avós, Ana (avó materna), Laura (avó paterna). Mamãe cotava que minha avó paterna queria que o nome dela viesse primeiro o que gerou certo desconforto para mamãe porque achava que não combinaria e eu sou grata e fico feliz que ela teve essa percepção e disse que teria de ser Ana Laura. Amo meu nome, acho lindo e suave, no entanto ele representa para mim a personalidade dessas duas avós fortes, lutadoras e amáveis. Sei que fui muito amada por elas e em meu coração e na minha veia tenho o magnetismo dessas duas mulheres guerreiras que ficaram viúvas muito novas e deram conta de educar seus filhos frente a muitas dificuldades e fazer deles pessoas de bem.

Em Três Lagoas fui muito feliz na primeira infância, vida simples, pé no chão, brincávamos eu meus irmãos, minhas primas e os amigos vizinhos em cima das árvores, de pique pique, pé na lata, nas poças d´água quando chovia. Nossa casa era grande com um quintal imenso repleto de cachorros que papai trazia da rua para cuidar. Chegava a ter mais ou menos treze ou até mais cachorros e mamãe quase enlouquecia. Era uma casa sempre repleta de pessoas e eu gostava muito disso. De nossa casa havia um pequeno portão que dava para a casa da Esther que era casada com o Jaime (Jaimão da Farmácia), melhor amiga de mamãe e nós e suas filhas tínhamos acesso direto entre as casas e essa memória me deixa muito feliz quando me lembro. Eu e meus irmãos brincávamos de casinha e fazíamos comidinhas, éramos muito unidos e estávamos sempre juntos Alaor, Armando, Angela. A Giselda temporona nasceu em Araçatuba. O irmão de meu pai Tio Antonio Alaor de Queiroz tinha uma fazenda próxima a Paranaíba-MS e íamos às férias para lá, outra memória que adoro me lembrar.

Ao mudarmos para Araçatuba a vida também toma outra forma. Terminei os estudos lá mesmo em Araçatuba e nesse período já trabalhava como secretária, com dezessete anos. Sou uma pessoa aberta a coisas novas, gosto de vida dinâmica, gosto de me sentir útil e de viver a vida intensamente.

Estudei faculdade de Pedagogia em Araçatuba, depois me especializei na Pedagogia para Excepcionais em Franca com parceria na Universidade Federal de São Carlos. Ao me formar retorno a Araçatuba e trabalhei na APAE e na Rede Estadual de Ensino concursada, mais tarde fiquei sócia de uma Escola Particular chamada São Judas Tadeu. Para cumprir com minha agenda de trabalho meus períodos eram de manhã, à tarde e a noite. O trabalho na minha vida sempre foi um prazer e motivo de alegria, assim como é até hoje. Minha visão de trabalho é fonte de inspiração para minha vida. Tive e tenho muitas amigas em Araçatuba que amo muito e temos contato até hoje. Em 1982 conheço um jovem Antonio Carlos Campos e me apaixonei, ele morava em São Paulo, namoramos cinco meses e nos vimos nesse período apenas quinze dias e nos casamos o que resultou na venda da escola e minha vinda para São Paulo. Tive dois filhos Rafael e Victor meus amores. Trabalhei na área da Educação por dezessete anos e em 1990 migrei meu trabalho para o mundo corporativo para trabalhar com Treinamento e Desenvolvimento o que já fazia também na área da Educação. Em 2004 fico viúva e uma reviravolta acontece em minha vida. Tive a perda por morte, perda financeira e desarmonia familiar causada por situação de sociedade na empresa, o que hoje tudo já está resolvido e acertado. Nesse momento de tormenta, volto a morar em Santos (já havia morado lá com meu marido e filhos). Acolhida por um casal de amigos que me ajudaram a me reconstruir financeiramente me ofertando trabalho. Assim recomeço minha vida profissional com 52 anos e sem um “tostão” no bolso. Um ano e meio mais tarde volto para São Paulo com outra oportunidade de trabalho. Precisei rever a questão da moradia porque um filho estava estudando em São Bernardo do Campo (engenharia), outro em Santos (estudando Mergulho Profissional) e eu agora em São Paulo ajudando os dois e assumindo algumas dívidas advindas da empresa que tínhamos ainda quando o marido era vivo. Fui morar em um quartinho com banheiro para dar conta de tudo isso. Ali fiquei quase dois anos e fui crescendo profissionalmente e melhorando o salário, lembrando que na época estava com 54 anos. O incrível é que as pessoas achavam que eu não daria conta mais de trabalhar pela idade que tinha. Desmistifiquei essa ideia de que o mercado não aceita pessoas de mais idade, pelo menos no meu caso foi ao contrário assim como é ainda até hoje. Meus filhos se formaram e ficaram totalmente independentes financeiramente e minha vida aliviou mais essa parte. Trabalhei intensamente com Treinamento e Desenvolvimento viajando pelo Brasil. No ano de 2008 fiz a primeira Certificação em Processos de Coaching. Em 2013 terminei uma Pós Graduação em Coaching Ontológico e Neurobiológico, trabalho hoje com processos de Coaching em Grupo e no Individual. Em 2016 vivi uma aventura maravilhosa viajando pelo Brasil ao longo de 365 dias, por todos os estados do Brasil, essa viagem resultou no Livro carreira solo, Venha Sonhar Comigo, onde conto minha trajetória e histórias do povo do Brasil que fui conhecendo durante a jornada. Sou coautora de quatro livros técnicos com temas sobre atendimento, coaching, relacionamento. Sempre voltada aos estudos do comportamento humano e as atividades do mesmo segmento, fui costurando minha vida sem muitas rotinas, percebo as oportunidades e gosto de me envolver com elas, isso não tem a ver tanto com dinheiro, pois acho consequência do que faço, mas tem a ver com vivenciar minhas experiência com intensidade e me apropriando cada vez mais do que gosto de fazer e de ser.

Redação

 

Versão Impressa

×

20 de Julho de 2019 - Ano XVII

Jornal Impresso



Mais Lidas

    
  1. PSICOLOGIA AEMS: MAIS UM RECONHECIMENTO DO MEC
  2. Longe dos problemas na Coluna
  3. ‘Não desistiremos do Brasil’, diz viúva
  4. Rodada define semifinalistas do Sul-Mato-Grossense sub-19
  5. Desmatamento na Amazônia já afeta o clima. Entrevista com Antonio Donato Nobre, INPE