Vídeos Quem Somos Contato
PM é investigada por gravar vídeo no TikTok dançando com arma na cintura
16 de julho de 2021 08:45
PM é investigada por gravar vídeo no TikTok dançando com arma na cintura
Foto: Reprodução/Tik Tok

Uma policial militar do Mato Grosso do Sul virou alvo de investigação por parte da Corporação depois de ter gravado um vídeo em que aparece dançando funk com uma arma presa à cintura e postado na rede social Tik Tok. 

O perfil que tinha o nome da servidora pública não está mais disponível na plataforma digital. Em entrevista ao site "Midiamax", a policial militar se defendeu e afirmou que o vídeo foi divulgado sem o consentimento dela.

Na gravação, a agente aparece em uma calçada de um estabelecimento comercial e perto de um carro. Não há como saber se alguém a gravou ou se ela colocou o aparelho celular para filmar no automático.

A servidora pública dança com uma garrafa de cerveja em uma das mãos e uma pistola na cintura ao som da música de funk "Chamo teu vulgo malvadão". Apesar de estar com a arma nas imagens, ela estava de folga.

INVESTIGAÇÃO

Devido ao fato, a Polícia Militar do Estado do Mato Grosso do Sul levou o material para ser analisado internamente. A Corporação informou que "repassou o conteúdo para a Corregedoria, que irá adotar as providências cabíveis ao caso".

A Polícia Militar abrirá um procedimento administrativo para apurar as circunstâncias do fato, e a investigação deve durar entre 15 e 30 dias. Só depois que será determinado se ela terá alguma punição ou não.

Enquanto a situação é apurada, ela - que faz parte da Corporação desde 2018 - segue trabalhando. Ela fechou as redes sociais e apagou o perfil no TikTok.


Diário do Nordeste






Mais Lidas
  1. Edificações nos rios de Três Lagoas (MS) é tema de reunião solicitada pela SEDECT à empresa CTG Brasil
  2. Governo de Mato Grosso do Sul inicia pagamento de auxílio aos profissionais de turismo nesta quarta-feira (15)
  3. Veículos com placa final 9 devem ser licenciados até o dia 30
  4. Base e oposição ao governo querem mudanças no novo Bolsa Família
  5. Brasil investe US$ 1 bilhão em importação de placas solares por ano, diz estudo

Ver