Vídeos Quem Somos Contato
Modalidade ‘pesque e solte’ está liberada nos rios Paraguai e Paraná está liberada partir desta quinta
01 de fevereiro de 2024 08:46
Modalidade ‘pesque e solte’ está liberada nos rios Paraguai e Paraná está liberada partir desta quinta
Foto: Divulgação/Arquivo

A modalidade de pesca amadora “pesque e solte”, em que o peixe é fisgado e em seguida devolvido com vida ao rio, estará liberada a partir dessa quinta-feira (1º de fevereiro) nas calhas dos rios Paraná e Paraguai, conforme prevê o Decreto Estadual n. 15.166, de 21 de fevereiro de 2019.

O período de defeso, entretanto, prossegue nos rios de Mato Grosso do Sul até o dia 28 de fevereiro.

Na modalidade “pesque e solte” o pescador amador deve usar anzóis lisos, sem farpas, para não ferir o peixe, e devolvê-lo imediatamente à água no local de onde foi retirado para garantir sua sobrevivência.

Importante o pescador ficar atento porque o “pesque e solte” só poderá ser praticado nas calhas desses rios, de modo algum na foz de seus afluentes. E ainda, para realizar esse tipo de pesca é preciso que o pescador emita, antes, a Autorização Ambiental para Pesca Amadora, na modalidade “pesque e solte”, acessando esse link.

O período de defeso das espécies, entretanto, continua vigente em todo Estado até dia 28 de fevereiro. Nesse interim nenhum peixe pode ser retirado dos rios, a não ser nas exceções previstas na lei. Outro alerta importante: a modalidade “pesque e solte” será liberada apenas nas calhas dos rios Paraná e Paraguai.

O pescador não pode adentrar nas baías, lagos e lagoas marginais, banhados e outros cursos d’água que tenham conexão com esses rios.

O desrespeito à legislação pode levar os pescadores a serem detidos e encaminhados à Delegacia de Polícia Civil para lavratura do auto de prisão em flagrante, podendo, se condenados, pegar pena de um a três anos de detenção. Além do mais, terão todo o material de pesca, motor de popa, barcos e veículos utilizados na pescaria, apreendidos, além de serem multados administrativamente.

 


João Prestes, Comunicação Semadesc






Mais Lidas
  1. Pistoleiro e matador Antônio Joaquim Aragão conhecido por “Camisa de Couro” morou em Três Lagoas
  2. Longe dos problemas na Coluna
  3. Como um município cresce economicamente?
  4. Renovação de frota motiva venda de caminhões usados
  5. Desmatamento na Amazônia já afeta o clima. Entrevista com Antonio Donato Nobre, INPE

Ver