Vídeos Quem Somos Contato
Dívidas do Desenrola podem ser negociadas nas agências dos Correios de todo o País
07 de maro de 2024 13:45
Dívidas do Desenrola podem ser negociadas nas agências dos Correios de todo o País
Foto: Divulgação/Agência Brasil

Atendimento presencial do MegaFeirão Serasa e Desenrola será realizado durante todo o mês de março sem cobrança de qualquer tipo de taxa ou custo adicional

A partir desta quinta-feira e até o dia 28, consumidores de todo o País podem negociar dívidas do programa Desenrola Brasil e da Serasa em mais de 6 mil agências dos Correios. Com apoio institucional do Ministério da Fazenda, o MegaFeirão reúne, pela primeira vez, a estatal e a Serasa, formando um mutirão nacional contra a inadimplência com descontos especiais oferecidos por 700 empresas de todos os segmentos, inclusive concessionárias de energia e água. O atendimento presencial nas agências dos Correios será realizado até 28 de março, sem cobrança de qualquer tipo de taxa ou custo adicional.

“Como empresa pública e agentes do governo federal, os Correios atuam para melhorar a vida das brasileiras e dos brasileiros. Nesta parceria com a Serasa, estamos facilitando o acesso da população aos principais programas de combate ao endividamento do Brasil, inclusive o Desenrola, contribuindo para a redução da inadimplência e para o crescimento da economia do país”, afirma o presidente dos Correios, Fabiano Silva dos Santos.

“Nunca fizemos uma ação de tamanha grandiosidade e abrangência”, explica o vice-presidente da Serasa, Pedro Dias Lopes. “E por isso estamos denominando a ação como MegaFeirão Serasa e Desenrola, porque tudo é mega, como o percentual de descontos, o número de empresas reunidas, os benefícios acima da média e a quantidade de ofertas”.

“Nessa reta final do Desenrola, e reafirmando nosso empenho com as iniciativas que possam promover a melhor experiência para os devedores, aplaudimos a parceria entre a Serasa e os Correios, que propiciará atendimento presencial aos cidadãos de todos os cantos do País”, afirma o secretário de Reformas Econômicas do Ministério da Fazenda, Marcos Barbosa Pinto .

Descontos de até 96%

O mutirão nacional contra o endividamento da população reúne 700 empresas parceiras, entre bancos, financeiras, comércio varejista, operadoras de telefonia e securitizadoras dispostas a oferecer facilidades para quem deseja regularizar os débitos neste início de ano. Concessionárias de água e energia também fazem parte do mutirão para facilitar quitação de contas básicas. Ao todo, mais de 550 milhões de ofertas estão disponíveis no MegaFeirão, além dos descontos de até 96% do Programa Desenrola.

As condições do Desenrola têm proporcionado descontos generosos desde o ano passado, como o caso do morador de Cachoeirinha (RS) que negociou 100 dívidas que somavam R$ 24.626 por apenas R$ 4.336, segundo a operadora do programa. Um outro consumidor de Abreu e Lima (PE) ganhou 96% de desconto para negociar 25 dívidas que somavam R$ 151.809 por R$ 4.908.

Sobre os Correios

Líderes no segmento logístico e de entrega de encomendas no Brasil e responsáveis pela atividade postal nacional, os Correios são uma empresa pública moderna, com a missão de promover a integração nacional, contribuindo com o governo no desenvolvimento socioeconômico, conectando pessoas, instituições e negócios. Com mais de 360 anos de história e presente em 100% dos municípios do País, a estatal possui a maior infraestrutura logística da América Latina: uma rede de atendimento de mais de 10 mil agências, mais de 8 mil unidades operacionais, 23 mil veículos e 87 mil empregadas e empregados diretos. Para mais informações, acesse: www.correios.com.br .

 


Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos (Correios)






Mais Lidas
  1. PRF apreende 350,7 kg de maconha e 19,2 kg de skunk em Água Clara - MS
  2. Governo indica Magda Chambriard para presidência da Petrobras
  3. Mortes no Rio Grande do Sul aumentam para 151
  4. Vestuário já é 70% dos donativos arrecadados pelos Correios; estatal pede que população priorize doação de outros itens
  5. Governo não vai competir com produtores gaúchos de arroz, diz Fávaro

Ver